6 Características Básicas Que Definem Os Estilos De Vinho

estilos de vinho

Cada um dos 3 tipos de vinho (tranquilos, espumantes e fortificados) possui características básicas que definem o seu estilo.

São elas:

  1. Cor
  2. Doçura
  3. Acidez
  4. Taninos
  5. Álcool
  6. Corpo

Veja a seguir mais detalhes sobre estas características e como elas influenciam na aparência e sabor do vinho.


1) Cor

cores do vinho

A cor de um vinho pode ser determinada pelas variedades de uvas que são utilizadas e também pela forma como o vinho é produzido.

Quando falamos em uvas para extração de cor, devemos nos concentrar especificamente em suas cascas, já que a polpa é praticamente incolor.

Na casca das uvas tintas estão presentes as antocianinas, pigmentos responsáveis pela cor de uma gama de frutas, folhas e flores, protegendo-as contra os raios ultravioletas.

Essas cores geralmente aparecem em diversos tons de vermelho, roxo e azul, e é por isso que os vinhos tintos jovens apresentam variações das cores: vermelho-rubi e vermelho violáceo.

As uvas brancas também são capazes de fornecer cor aos vinhos. Isto acontece quando suas cascas ficam em contato prolongado com o suco da uva durante o processo de fermentação, como veremos a seguir:

Vinhos brancos

Os vinhos brancos são elaborados a partir do suco de uvas brancas ou tintas, onde as cascas foram removidas antes de iniciar a fermentação. Quando as cascas permanecem em contato prolongado com o suco, teremos os chamados vinhos laranjas.

Vinhos rosés

Os vinhos rosés são elaborados a partir do suco de uvas tintas que tiveram menos tempo de contato com as cascas durante o processo de fermentação.

Vinhos tintos

Os vinhos tintos são elaborados a partir do suco de uvas tintas que ficaram em contato com as cascas durante o processo de fermentação.


2) Doçura

doçura do vinho

Durante o processo de fermentação do vinho, as leveduras consomem o açúcar natural presente no suco da uva e, quando todo o açúcar tiver sido consumido, as leveduras simplesmente morrem.

Assim é determinada a doçura de um vinho: pela quantidade de açúcar que permanece na bebida após a morte das leveduras.

Entretanto, as leveduras também podem morrer mesmo sem terem consumido todo o açúcar.
Isto ocorre em duas situações:

  1. Quando o teor de álcool naturalmente atingir cerca de 15%
  2. Quando o enólogo adiciona álcool extra na bebida, ultrapassando os 15% – como acontece na produção dos vinhos fortificados, por exemplo.

Desta forma, os vinhos podem ser classificados em 3 níveis de doçura:

Vinhos secos

Contemplam a grande maioria dos vinhos finos produzidos, embora alguns sejam mais secos do que outros.

Vinhos secos tranquilos possuem até 4 gramas de açúcar por litro*.

No caso dos vinhos espumantes, os secos são representados com o termo Brut ou Dry.

Vinhos semi-secos ou meio-secos

Para produzir os vinhos meio-secos, o enólogo retira as leveduras antes que elas consumam todo o açúcar ou, alternativamente, adiciona suco de uva doce à bebida.

Vinhos meio-secos tranquilos possuem entre 4,1 e 25 gramas de açúcar por litro*.

No caso dos vinhos espumantes, os meio-secos são representados com o termo Demi-Sec.

Vinhos doces

Podem ser feitos com uvas passificadas – que foram colhidas após o seu período ideal de maturação, adquirindo altos níveis de açúcar – a chamada colheita tardia ou late harvest.

Vinhos doces tranquilos possuem entre 25,1 e 80 gramas de açúcar por litro*.

No caso dos vinhos espumantes, os doces são representados com o termo Dulce ou Doux.

* Classificação de vinhos tranquilos com base na concentração de açúcares residuais de acordo com a legislação brasileira.


3) Acidez

acidez do vinho

A acidez está presente na polpa da uva e confere ao vinho suas características refrescantes, nos fazendo salivar ao senti-la no paladar.

Ela também é um fator determinante para o potencial de envelhecimento da bebida.

Vinhos com falta de acidez são chamados de flácidos e, aqueles extremamente ácidos, são considerados azedos.

A maioria dos vinhos brancos e espumantes possuem acidez elevada. Muito por conta das uvas brancas se adaptarem bem às regiões de clima frio, o que contribui para a retenção de acidez no fruto.


4) Taninos

taninos do vinho

Os taninos são responsáveis pela sensação de secura na boca ao provarmos vinhos, principalmente tintos.

Eles são passados ao vinho através das cascas, sementes e engaços das uvas. Mas o vinho também pode adquirir taninos em contato com a madeira dos barris de carvalho.

Assim como a acidez, taninos são responsáveis pelo potencial de envelhecimento do vinho e por conferir-lhe maior estrutura.

Vinhos com altos teores de taninos agem como limpadores do palato, suavizando o sabor de pratos gordurosos, no entanto, os vinhos mais apreciados são aqueles que possuem taninos equilibrados e macios.


5) Álcool

álcool do vinho

O álcool no vinho é obtido através da conversão – feita pelas leveduras – do açúcar natural presente no suco da uva.

Ele também pode ser adicionado ao vinho quando o objetivo é elaborar vinhos fortificados, como o vinho do Porto, por exemplo.

O álcool é responsável por formar as lágrimas na parede das taças e, quanto mais alcoólico o vinho, maior a sensação de corpo e mais quente ele se mostrará em nosso paladar.

Embora a legislação brasileira estabeleça um teor alcoólico entre 8,6 e 14% vol. para os vinhos tranquilos, em outros países podemos encontrar vinhos com graduação alcoólica que varia de 7 a 16% vol.


6) Corpo

corpo do vinho

O corpo pode ser definido como o peso geral que o vinho faz em nossa boca.

Para melhor compreensão, podemos fazer uma comparação com os tipos de leite: desnatado, semi-desnatado e integral.

Um vinho pode ser mais encorpado que outro por conta de diversos fatores, tais como:

  • Concentração da uva
  • Níveis de álcool
  • Quantidade de açúcar
  • Passagem por barris de carvalho
  • Entre outros fatores

Desta forma, os vinhos podem ser classificados em 3 níveis segundo seu corpo:

Vinhos de corpo leve

São mais refrescantes e considerados fáceis de beber.
Quando acompanhado por refeições, as mais escolhidas são: entradas, petiscos e pratos leves.

Vinhos de corpo leve incluem:

  • Espumantes
  • Frisantes
  • A maioria dos brancos e rosés
  • Alguns poucos tintos.

Vinhos de corpo médio

São mais ricos e concentrados.
Podem adquirir médio corpo com o estágio em barris de carvalho.

Vinhos de corpo médio incluem:

  • Chianti
  • Merlot
  • Malbec jovem
  • Bordeaux jovem
  • Entre outros

Vinhos encorpados

São vinhos robustos e pesados.
Geralmente apreciados em companhia de refeições igualmente robustas.

Vinhos encorpados incluem:

  • Vinhos licorosos e fortificados
  • Malbec com madeira
  • Chardonnay com madeira
  • Grandes Bordeaux
  • Tannat
  • Syrah
  • Cabernet Sauvignon
  • Entre outros

Gostou do conteúdo?

Compartilhe esta página com seus amigos 😉

1 Shares:
Comentários
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode gostar